Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório

Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório | Vantagens e Desvantagens

De modo geral a centrifugação ocorre devido à ação da força centrífuga e dos efeitos da aceleração da gravidade. Portanto, selecionar o rotor correto pode ser determinante para o sucesso de sua aplicação.

Mas você conhece os tipos de rotores e suas características?

Existem principalmente dois tipos de rotores:

Rotores basculantes ou horizontais

Permitem a inclinação de 90° dos tubos, que saem da vertical e ficam na horizontal durante a centrifugação.

Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório

Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório imagem2

Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório imagem 3

Vantagens:
  • Se pode obter um rendimento maior, pois é possível encher completamente o tubo de ensaio da centrífuga.
  • A sedimentação ocorre no meio do fundo do tubo de ensaio, permitindo uma fácil separação das fases, sendo assim, o sedimento fica no fundo do tubo.
  • Aceitam mais tubos por rotor, por conta disso existem diversos tipos de buckets, que permitem quantidades variadas de tubos.
  • Permite o uso de tubos de maior volume: 250mL, 500mL, 750mL.
  • Além disso, permite centrifugação de microplacas.
Desvantagens
  • A velocidade e a FCR são menores, geralmente 6.000 rpm no máximo.
  • Grande resistência ao ar durante a centrifugação.
Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório imagem 4
Imagem ilustrativa do tubo – em um rotor basculante

Rotores de ângulo fixo

Conforme o nome, os tubos permanecem na mesma posição (mesmo ângulo) durante toda a centrifugação.

Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório imagem 6
Rotor de ângulo fixo Sigma 12082 – Biovera
Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório 2
Rotor de ângulo fixo Sigma 12600 – Biovera
Vantagens:
  • FCR alta: 10,000 – 70,000 x g
  • Permitem tempos de sedimentação mais curtos em comparação a rotores basculantes, pois se pode obter velocidades rotacionais e forças centrífugas mais elevadas.
Desvantagem:
  • A sedimentação fica parcialmente na parede lateral do tubo, devido à ação da força centrífuga na parede do tubo.
  • Permite o uso de poucos tubos por rotor.
  • Tubos de vidro não devem ser usados (risco de quebra).
  • Os tubos devem ser fechados pois o líquido forma uma superfície vertical durante a centrifugação.
Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório imagem 5
Imagem ilustrativa do tubo – em um rotor de ângulo fixo.

Os rotores da Sigma são fabricados com precisão e a partir de materiais modernos certificados, com alto desempenho e números de lote rastreáveis. Graças a muitos anos de experiência a Sigma oferece uma ampla seleção de rotores, que podem ser operados continuamente à velocidade máxima e à + 4 ° C em quase todas as centrífugas Sigma.

Alguns rotores podem ter revestimento para uso em salas limpas, além disso, as superfícies são seguras também para alimentos (com certificação da FDA) e fáceis de limpar sem nenhum resíduo.

Conheça as centrífugas Sigma,  clicando aqui.

Com pouca necessidade de manutenção, os rotores Sigma podem ser usados para muitos ciclos com carga máxima e velocidade máxima, na maioria dos casos até 50.000 ciclos. Além dos modelos atuais, os rotores também estão disponíveis para linhas de produtos descontinuadas.

Ademais, alguns rotores contam com o inovador sistema g-lock da Sigma, que permite a troca de rotores sem a necessidade de ferramentas ou pressionar os botões. Saiba mais aqui: https://www.biovera.com.br/noticias/troca-de-rotor-de-centrifuga-de-laboratorio-sem-ferramentas/

Após conferir o nosso Guia sobre tipos de rotores para centrífuga de laboratório, quer conhecer mais sobre a nossa linha de equipamentos ou  ajuda para especificar sua centrífuga? Entre em contato com nossos especialistas.